Monthly Archives: Dezembro 2006

Pois mas não…

Oh meus estupidos pierrôs! Como vai isso?

Aki a crew, pips, ‘tá memo bué da bacana, cm a voxa atitude, cu voxo style, mm axerio guyz aki ta mm td alright, curtimox mm tótil as 115 visitax k nos fizeram ’till now.. mm tão ka dentro 😀 Props pa vcx  ….::::PaZ::::….

Agora, ao mais importante! Este post! Este post vai simbolizar, não, não vai simbolizar nada…

Hoje fui ao TorreShopping com os meus compinchas, alguns, devido ao facto que não estarem lá todos, estava combinado irmos almoçar-mos lá, ir ao cinema, bowling, resumindo: conviver um pouco nestas résteas de tempo que nos faltam para acabar o ano.

No cinema:

-Então que filme vamos ver?(estavam lá 3: Saw 3Artur e os Minimeus e o Eragorn, optamos todos pelo filme mais alegre para crianças, o Saw 3, mas era necessário a assinatura dum ente com mais de 18 anos para se responsabilizar por nós, não iria lá ninguém do nosso grupo morrer com um ataque de risos, o que parecia mal…)

Olegário, o vigário, estava presente, e teve de mandar das suas:

– Olhem lá não podemos ver o Saw, porque já o vimos!

O momento mais mentecapto do dia, e enfim…

Mais tarde, chego a casa e deparo-me com uma sapateira a fumar uma cigarrilha… A curtir os últimos momentos da vida mandando os últimos bafos…e também para se aquecer pois estava bem geladinha… coitada…

Ainda vos conto uma história de embalar antes de ir ‘pá caminha pois já são 7:30h:

Era uma vez um Minimeu que se casou com uma meia muito pequenina que até lhe chamavam Minimeia… Certo dia, Minimeia muniu-se de argumentos e não disse absolutamente nada. Minimeu por sua vez, usufruiu do lindo e solarengo tempo tempestuoso e escreveu uma cartinha para seu primo Mini-milk na qual dizia que aquela carta não era para ele… apartir desse momento,nunca mais se ouviu palavra do Carlos Jorge. Definhados, não? Um pouco decerto… até vos contava outra história mas acho que não é preciso, até porque estão uns individuos altos a tocar-me à campainha, suponho que estejam armados com chicotes e fisgas… Isto promete…

BOM “==/ ,ou seja Bom 2007 Enjoy your passing of year 😉

Yours Faithfully,

Vespaziano, não me apetece escrever a minha especialidade em colopr..

Fufu, o Cachorro Maléfico

Antes de mais, gostaria de dedicar este post à Miss Pinkie, que eu sinceramente não sei quem é, mas que tem comentado com afinco o nosso blog e contribuido para o bom número de visitas hoje.

Depois deste estranho momento de escrita séria(desculpem), voltamos à merdalhicidade em forma de letras agrupadas, formando vocábulos com ou sem sentido.

As galinhas voam

Os patos saltam

As vacas lambem

E o meu nome é José
Depois de momentos como este, só me resta dizer: Bom ano novo e peçam 12 desejos:

1 – que o blog tenha sucesso

2 – que o blog tenha sucesso

3 – que o blog tenha sucesso

4 – que o blog tenha sucesso

5 – que o blog tenha sucesso

6 – que o blog tenha sucesso

7 – que o blog tenha sucesso

8 – que… pera aí, vou cagar.

…(ouve-se o som do Oust, ambientador de casa de banho)

8 – que o blog tenha sucesso

9 – que o blog tenha sucesso

10 – que o blog tenha sucesso

11 – que o blog tenha sucesso

12 – Puta que pariu, as passas de uva ‘tão estragadas!

Mas agora seriamente: não sei de nada para escrever e desejo-vos apenas um 2004 cheio de penas(considerando que vocês são almofadas).

Ah, e já agora: não sei se sabem, mas Vespeziano, o Inspector de Rabiosques(como adoro esta palavra e especialmente os rabiosques de homem), não gosta de passas de uva, o que faz com que ele não possa pedir 12 desejos e não possa viver em 2004. Portanto, adeus e até a uma próxima vida, onde provavelmente serás, Vespeziano, um abeto no meio da Patagónia.

Comam cócó e adeus.

AHHHHHHHHHHHHH(fui atingido por um foguete fêmea. Acho que tenho aqui uma oportunidade de criar uma criança explosiva se acasalar com ela.)

Yupi

You are here, you are there…

É com grande pompa e circunstância que vos apresento a minha mais recente piada seca, que até teve lugar num afamado blog relacionado com o tema.

O que é que se diz quando partimos um braço no trabalho?

R: São os ossos do ofício.

Ai tão engraçado, ai tão engraçado, ai tão engraçado, ai tão engraçado…(e continua assim até Pataias, onde vira para apanhar a A23(não sei se é mesmo a A23, porque eu não percebo nada de formatos de blocos de papel)).

Ah e coiso as túlipas são verdes e as vacas murcham com o sol… Vai pá menina da vida que deixou que saísses do seu ventre, Vuvu Bává! Pensais que o chão gira à vossa volta, e com as palavras a saltar de cadeira em cadeira, num RUM-RUM de cheiros e sentidos e ambientadores…

Depois deste momento de sanidade mental, apresento-vos o Boletim Meteorológico. Boa noite.

Banzái! Post único! Edição Especialissima!

Era só ‘pra dizer que este post é o centésimo primeiro (101º)… e o próximo quase de certeza que vai ser o 102º (centésimo segundo)…

Post centésimo: um século de cócó

Chegado de umas breves férias, e visitando as estatísticas do blog, reparo, com espanto, que este belíssimo post que vos deixo é o centésimo aqui escrito. E dizem vocês: “Fuoda-se! Queres ver que eu, acompanhando este pedacículo de hormonas de galinha desde o início, já li 100 posts completos destes anões de Varsóvia?”  E digo eu: “Tomai e comei.”

Bom, mas o assunto premente que realmente aqui me traz é o meu bloqueio criativo enquanto afamado escritor. Bom, sabem que isto de andar a escrever num blog de sucesso mundial tem que se lhe diga… Uma coisa é escrever num blogzeco(nome de extraterrestre que eu para aqui resgato) que tem como intuito(falhado) divertir de alguma maneira gentes da Escola Secundária do Entroncamento e quem mais por aqui aparecer. Outra, é realmente escrever num blog internacional como este, que, hoje, até ao momento, recebeu o honroso número de 3 visitas. Talvez alguém que se tenha enganado a escrever um endereço. Enfim…

Mas voltando ao assunto inicial, eu sou da opinião de que realmente os índios fizeram bem ao trazerem a batata para o continente europeu. Imaginem o que era continuarmos ainda hoje a comer castanhas ao invés de ingerir o belo tubérculo.

“Papá, passa-me o peixe. Papá, passa-me os brócolos. Papá, passa-me as castanhas.

Soa um pouco a deslocalizado, creio eu. E ainda por cima ir pôr Azeite Virgem Extra ali por cima…

Ah, e por falar em azeite: nunca se indagaram sobre a razão pela qual os ETs que fabricam o azeite lhe dão o rótulo de Virgem Extra? Bom, como sempre, eu já descobri, pois sobre aquilo que realmente interessa(como esta questão), Olegário está sempre um passo à frente(ainda que à frente às vezes esteja o abismo, para o qual invariavelmente caio e grito: “Mãeeee! Liga o esquentador!”).

A verdade é que os ETs chamam assim ao azeite de modo a proporcionarem-lhe uma aura de santidade, como que se as garrafas nunca tivessem sido violadas. Ora, eles mentem com todos os dentes que possuem, e se não possuirem dentes, então mentem com outra coisa qualquer que usem para partir nozes e para mentir. Se dizem, então, caros lambedores de cricas, que a garrafa ainda não perdeu a sua inocência, então e a rolha? Ein?! Nunca repararam num objecto cilíndrico de cortiça que proporciona um interminável prazer à garrafa, eternamente enfiada no seu orifício?! E ainda dizem que é virgem extra… Extra são as tostas-mistas que eu costumo fazer para o lanche, e não essas amostras de pêgas rançosas que poluem o meu campo visual nas prateleiras dos super-hiper-mega mercados! Ah, pois… E posto isto, mais um segredo do nosso mundo desvendado aqui pelo homossexual preferido deste blog…

O regresso de Olegário, o Indivíduo Pouco Dotado do Ponto de Vista Físico Que, Ainda para Mais, Não Aprecia Queijo Apesar de o Ingerir à Fartazana em Tostas Mistas e Pizzas, Assim como em Folhados Mistos e Afins.

Moral da história: Vamos lá parar com isto da moral da história, que eu não sou nenhum Édipo, o contador de fábulas lá dos Romanos, ou catano(ou se calhar era dos Aztecas).

………….:::::::porra n ha nenhum k sejam 3

AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!….É NATAL!!!!!!!!!!!

puff

Aki man tmx ekopontx k falam!

Tulipa, tulipa, tulipa…

Ai!, que essa foi forte gritou Clemêncio num puro acto de convicção e prazer. Mais tarde viera sua mãe que, segundo consta, não aclamou nem protestou, seguiu, pé-ante-pé o seu breve itinerário até à cozinha e comeu uma sandes de atum e bebeu um copo de água. Certa tarde lembrando-se de tal inigualável e memorável acontecimento, o planeta Terra embateu contra um largo cometa e acabou-se a vida nesse tal cometa. 8 segundos depois, bradava Clemêncio: “Toma lá que já almoçastes!” acompanhando tal sentença com um riso profundamente irritante.

Reparem como esta curta história podia bem ser um guião para uma telenovela da TVI, ou seja mais um sucesso de audiências… E reparem como é notavelmente estupidificante (neste caso estupidificante é um ponto muito negativo) na véspera de Natal e no próprio dia de Natal, passarem em todos esses santos dias a Doce Fugitiva! Meu DEUS! Ainda querem tirar de lá o lider do Partido Socialista… francamente, com visões noite e dia de tal degredo televisivo quem não fica brutalmente injuriado psicológicamente e faz coisas k não lembram ao diabo? lá esta JS está no poder devido a estas mentes brilhantes, por isso não se queixem e ‘pá próxima não votem em quem já sabem que só nos faz cheetz…

Tenho dito

E agora, uma ode…

Caros amigos, colegas e compinchas,

Não poderei escrever nos próximos tempos neste blog,

Na medida em que efectivamente estarei ausente,

E é exactamente isso, blroglkf og 

Esta ode de incomparável beleza mostra como, de facto, o preço do bacalhau subiu e que nada poderemos fazer para travar o avanço do Atum Bom Petisco… A não ser que coloquemos postes no meio das auto-estradas da Noruega. Mas isso já é outra história, e eu não quero entrar no campo das cenouras.

Bom, resta-me despedir-me em glória de vós e dizer: Feliz Ano de 2008, porque em 2007 morrerão. Ahahahahahahaha! Estava a brincar! É já em 2006 que falecem. Sou mesmo brincalhão, não sou, ein? Ein? É isso e as cadeiras ajustáveis do IKEA que me dão um jeitão para estar aqui a soltar fezes pelos dedos.

Para me despedir mesmo, não posso deixar de vos deixar esta anedota, que é absolutamente genial e, portanto, não foi inventada por mim…

Dois clítoris falam:

– Ouvi dizer que não tens prazer…

E diz o outro:

– Bah! Más línguas… 

Até uma próxima e dois queijos da serra aqui pó José.

Moral da historieta: Cala-te com isso, hóme…

 

HackaroXP, 25 de Dezembro de 2006

Se alguém ler isto, então acaba de perder 10 segundos a ler uma estúpida frase de introdução completamente desnecessária.

O Natal deprime-me. Parece que toda a gente me manda ter o computador desligado… Péssima altura, péssimos desejos. Sem computador fico indisposto, nauseado.

Subitamente parece que toda a gente quer estabelecer contacto comigo. É incrível! Pessoas que mal conheço (valha a verdade não conheço ninguém… tirando o msconfig, talvez. Sim, acho que somos amigos… A ver se lhe ligo, da outra vez foi uber divertido…) dirigem-se a mim, prazenteiramente, sorriso nos lábios e TOCAM-ME!!! Elas TOCAM-ME!!! E eu fico “uh, wtf?” (sim eu falo por abreviaturas de fóruns! AH!)… Acho uma completa desconsideração tocar-me sem pagar ou sem pelo menos preencher um formulário.

Sou o ser mais perfeito à face da Terra. Não tenho dúvidas. E julgo que a Terra me toma como insuportável, o facto de ter de ser pisada por um ser com a minha aura deixa-a fora de si…

Julgo que o melhor caminho para mim é o da perdição. Incompreendido por todos (professores incluídos, apesar da minha genialidade e brilhantismo patentes…), tocado por alguns (bafejados pela sorte do momento e pela minha distracção…), odiado por uma minoria de idiotas (tás-me a incluir como idiota, não é meu fdp?…). Até a minha mãe me roubou o meu namorado… A única pessoa que me compreendia… Nem precisávamos de falar, era só eu virar-me de costas e a magia invadia-me (bem, não era bem magia… Mas ele era um mágico…)… Ah aquele garboso moçambicano que a minha odiosa mãe teve o despudor de me roubar… Felizmente sofreu o mesmo que eu, que o meu pai não se deixou ficar e roubou-o para ele! AH! IN YOUR FACE, PAI DO CROMO! Agora sei como a senhora da secretaria se ficou a sentir… Não o devia ter feito, mas o desejo, o facto de poder ter um rato enorme nas mãos ( chama-lhe rato chama…) cegou-me… Desejos superficiais que acabaram pagos ao peso do ouro

Portanto blah blah blah vou-me suicidar (a menos que vocês implorem… e mesmo que implorem, eu não prometo nada) blah blah blah, deixo apenas aqui em aberto qual a melhor maneira de o fazer. Votem!

A continuação do acabado

Para continuar tão frutada história do nosso caro Olegário, esse homossexual de primeira, devo dizer que sim.

O indivíduo da história que eu agora não me lembro o nome e que se não me falha a memória se chamava Nicolau, depois de dar o tiro na cabeça e de seguida ter fugido para França, não fez absolutamente mais nada.

Moral da história: FELIZ ANO NOVO E UM NATAL CHEIO DE PASCOAS!

Para já é tudo o que desejo, ah! podia ser também um refresco de leite:

-É ‘pra já! Refresco de leite para a mesa 5! – gritou o bartender.

Um Conto de Páscoa

Como nos aproximamos da época do Carnaval, plena em festividades alusivas a feiticeiros e bruxas, eis que vos deixo aqui, neste antro de visitas(6 hoje), um pequeno conto de Páscoa, dedicado ao Santo António e ao São João, que já está quase a acabar e me vai dar um balão, sob pena de eu o sodomizar à bruta contra um poste da EDP(são todos da EDP, mas enfim).Sem mais delongas, cá vai:

Nicolau era um homem bom. Gostava de saltar pelos verdes prados da Lapónia, enquanto perscrutava o horizonte em busca de ovelhas para penetrar por trás. Vivia num prédio com rés-do-chão e cave, e era lá que mantinha a sua fábrica maravilhosa de brinquedos. Infelizmente, a fábrica era clandestina, pois uns homens com fato e gravata tinham-na proibido de operar, devido à poluição por esta causada. Assim, Nico passava horas na cave do seu robusto prédio, inventando novas formas de mulheres e homens se satisfazerem. Foi ele, caso não saibam, o inventor do mais mítico dos objectos sexuais: o vibrador. Junto com os seus fiéis servos, os técnicos de superfície, Nicolau fabricava cada vez mais e melhores objectos, com o intuito de os distribuir pelos adultos solteiros na noite de 24 para 25 de Dezembro. 

Nicolau trepava pelo telhado e depois escorregava, por puro divertimento. Depois, tocava à campainha dos pobres solteiros e pedia-lhes uma pequena quantia em troca dos objectos oferecidos(muitas vezes os objectos estavam já previamente escolhidos em catálogo). Nunca se soube porque Nicolau era tão generoso. Mas sabe-se que um dia, ouviu-se dele: “Foda-se, sai-me daqui, cabrão da merda! Levas uma borregada nesse trombil que voas daqui para os CTT!”.

E então, numa bela manhã de 23 de Maio de 1986, Nicolau deu um tiro na cabeça e fugiu pá França.

Um feliz Natal para todos vós, e comam muitas pevides.

Yeh! Tenho tanta graça!

Moral da história: A gasolina tá cara

Pacote de batatas ou batatas fritas?

Méke?

Variadas pessoas questionam-me o que esta nobre e trivial palavra significa.
Ao que eu respondo, com a maior das sinceridades, é apenas um vocábulo em que se dá aférese dupla das primeiras letras da palavra como, assim como uma elisão da restante silaba (mo) com o verbo ser no presente, na 3ª pessoa do singular (é), segue-se mais uma vez uma elisão, desta com o pronome relativo (que) e com, outra vez, o atrás mencionado é, prefazendo o ke (reparem no estrangeirismo aqui aplicado), outro modo seria, méqué, com a adição de mais um acento agúdo, o que, gramaticalmente (em português) é incorrecto (e também a explicitar, ou a deixar claro:soava a francês e ‘pa mariquisses já basta a Josefa…) Ficaram esclarecidos? Ou era só preciso dizer que méke quer dizer como é que é?

Ok e passado as apaparicações iniciais, vamos ó-quintréssa (ao que interessa):

Depois de longos anos, suados, cheios de experiência e vivência e sais de banho, eu, Vespaziano, reparo que o Futebol e as bebidas têm um elo invísivel inseparavel! Passo Por exemplo, quando uma pessoa bebe um drink (esta foi em brasileiro), vá quando uma pessoa bebe uma bebida qulquer à primeira, diz-se e na gíria que bebeu de penalty. E o que é o penalty? É futebol! É um livre directo a 11metros da baliza, só com a oposição do guarda-redes!

Outra:

Quando uma pessoa bebe uma bebida sem ser toda de uma vez, o que é que faz? Bebe uns golos dessa bebida! Golos? Hmm acho que já ouvi isso em algum lado! Hmm… Será no Futebol? Deixa cá ver… olha pois é!

Mais uma vez se observa a tal ligação inquebrável do futebol e das bebidas!

Querem mais? Entao.. uh.. pois lá está.. Pronto é isso já chega há essa ligação e pronto! Mau! Agora discordam? Levam com katanga! Ah bom…

Cumprimentos Estúpidisticos,

Vespaziano, o Especialista em Coloproctologia

Ai que eu me desfalhaço todo…

Boas tardinhas, animados leitores que hoje já nos visitaram uma impressionante quantidade de vezes(13, para ser mais exacto. É, portanto, um dos piores dias de sempre desta choça).

Nós, brilhantes autores do blog, temos acesso a uma série de curiosidades sobre o mesmo. Uma das curiosidades é saber com que palavras pesquisadas nos encontraram. Vou dar-vos uma pequena lista dessas palavras, pois acho que mostram realmente o quão inútil é o nosso blog…

Passarolas – Não sei quem foi o imbecil que decidiu procurar por “passarolas” no google, mas algo me diz que ele queria era “passarinhas”…

Coloproctologia – Uma pesquisa efectuada sem dúvida por alguém que tinha dores no rabo (concluindo, o nosso blog é visitado por homossexuais, sem contar, óbvio, com os próprios autores, que o são e MUITO).

História da Vaca – Alguém com um gosto muito refinado por contos e fábulas… Qual lebre e tartaruga… Qual raposa e corvo… VACA, catano!

Pastas de dentes boas – Compreende-se que haja gente com certos e determinados fetiches… Mas há limites, José!    (já agora, imaginem um maluco de cabelo desalinhado a masturbar-se enquanto apalpa um tubo de Colgate Sensitive).

Como curar a hemorróida – Aplicas pinceladas de mercúrio.  (quem não conhece esta anedota não perceberá. Eu contá-la-ei no próximo post).

Piaçaba – Ora aí está uma grande pesquisa! Piaçaba! Sem dúvida um orgulho para todos os amantes de tão nobre objecto! (PS: só espero é que não seja mais um gajo dos fetiches. Porque se for, meu Deus..).

Pura Estupidez – O indivíduo que procurou por “pura estupidez” buscava o Santo Graal. Ei-lo, meu caro! Pura Estupidez, o blog!

Bocas de incêndio tipo Oeiras – Abstenho-me de comentar esta pérola.

Sem mais nada para estupidificalizar…

Olegário, o Operário

Moral da história: Quem cala, consente.

Miauuuuuuuuu! Trás-Puff!

Como é que se distingue um gato de um tijolo?

Atiram-se os dois à parede. O que miar, é gato.

Resposta ao post “Coisas da Vida”

Josefa, Josefa… Ai Josefa, Josefa… Quão sensuais são os teus tríceps, mas quão vazio de capacidade é o teu encéfalo…

Eu creio que estamos perante um caso grave… Uma pessoa que não sabe porque é que as retretes(nunca se diz sanitas) não sao aquecidas é sem dúvida alguma uma pessoa com problemas hereditários de “unhas de pianista”.

Mas como ainda há pessoas cuja inteligência se assemelha tristemente à de um diospiro acabadinho de cair da macieira, lá terei eu, sublime demonstração da mais pura das inteligências, detentor de um encéfalo tão ou mais poderoso que a palavra de uma ácaro,  de explicar aos pouco dotados a razão de tal factualidade ocorrida.

Imaginem-vos a ir ao McDonald’s. Pedem um McMenu de Sopa da Pedra, um McMenu Grande de Cozido à Portuguesa, e um calicezinho de Vinho do Porto. Despejam a comida pela goeleta(vocábulo novo) e voltam à vossa habitação térrea(se por acaso viverem num ninho em cima de uma árvore, peço desculpa por não vos ter referido). Sentem que o vosso estomâgo está tão pesado que já toca na bexiga, provocando cócegas. Decidem perfurá-lo. A perfuração não funciona, na medida em que a tentam com uma daquelas facas de plástico, usadas nas festas de anos. É então que vos ocorre uma brilhante ideia: “Bom, tenho aqui uma sensação esquisita na zona do rabo de que algo muito pesado quer a todo o custo sair. Porque é que não me vou sentar numa cadeira sem fundo e deixar este material sair de mim?”. Reparam que afinal aquela cadeira esquisita de louça sempre servia para alguma coisa, em vez do bidé, que era difícil de limpar. Sentam-se na bela peça de louça, de nome retrete, e cagam-se como se não houvesse nem amanha, nem depois de amanha, nem dia de todos os santos. De repente, depois de carregarem num botão vermelho, as vossas nádegas começam a aquecer. E, surpreendentemente, devido ao calor, começa a sair mais merdinha. E mais, e mais, e mais… e mais…e ainda mais, e mais, e mais… E mais, mais, MAIS, catano, e ainda mais, até estarem sentados nela, assustados com a castanhidade que vos rodeia. Reparam então que o calor activa os intestinos, fazendo-os expelir toda a caca que possuem.

Moral da história: A merda flutua.

Boa tarde e uma beterraba cozida